Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Dia do pai IV

por Inês Teotónio Pereira, em 19.03.10
 

 

Lourenço Cordeiro, aqui

 

Mostro à minha mulher uma canção em produção (sem falsas modéstias , uma canção fabulosa). «Olha o que eu fiz», ouve, ouviste? Ela sorri e diz que sim, que gosta muito. Mas o entusiasmo não trepa pelas paredes. É, como direi, excessivamente tranquilo. Pressiono-a, «mas só isso, gostaste?», gostaste do quê, explica? Ela insiste que gostou muito e não percebe o que quero eu mais. Reparo então que vai passando a mão pela barriga enquanto fala, discretamente. «Olha o que eu fiz», diz essa mão, sem saber que o está a dizer. E então eu percebo a patética condição masculina, best supporting actor, agradecemos a colaboração.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:38



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog