Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Respeitinho

por Inês Teotónio Pereira, em 29.03.10

No i do fim-de-semana

 

À PARTIDA as crianças têm respeitinho. Respeitinho por tudo o que não lhes pertence, pela liberdade dos outros, pela dignidade humana, pela integridade física e por todos os direitos fundamentais que estejam em qualquer lista civilizada de direitos fundamentais.
À partida as crianças têm respeito por qualquer pessoa que seja mais alta, mais forte ou mais velha. E por quem tenha autoridade, direitos ou privilégios sobre ela.
Mas é só à partida. Logo ali, na casa da partida. Antes de os dados serem lançados. Porque logo a seguir, se quem manda não manda bem, se quem educa não dá o exemplo, se quem ensina não impõe regras e não dispõe de meios para as fazer cumprir, se quem brinca não o faz com gosto, se quem é mais velho se porta como uma criança, as crianças arrumam esse respeitinho chato e enfadonho bem lá no fundo da gaveta e esquecem-se de que alguma vez o conheceram.
É assim a vida do respeito: frágil. Ele tem mesmo de ser transportado com muito cuidado, e virado para cima, ou parte-se com uma simples queda ou empurrão. E uma vez em cacos, o respeitinho não consegue ser colado. Nem com cuspo, nem à força. O seu destino é o vidrão dos respeitos sem hipótese de poder vir a ser reciclado.
Desaparece, então, da vida das crianças. E depois, welcome to hell: ensinar, educar, brincar ou partilhar passam a ser desportos radicais só ao alcance dos mais audazes.
Do que o respeitinho precisa, meus senhores, não é de donos, é de quem o mereça receber. (Digo eu, que todos os dias me vejo às aranhas para não o partir).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:52


1 comentário

De Ana Maria a 29.03.2010 às 23:43

Mais nada!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog