Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O filho mais velho

por Inês Teotónio Pereira, em 12.04.10

No i de fim-de-semana

 

É UMA ESPÉCIE de tubo de ensaio. Mas um tubo de ensaio especial, com a resistência de um carro de combate, sempre pronto para uma nova experiência. Diariamente e desde o dia em que nasce. Aliás, ele próprio é uma experiência. Única e irredutível. 
Em tudo, o filho mais velho é a primeira vez. Ele é a primeira tosse, a primeira papa, a primeira birra, o primeiro dia de escola, a primeira história, a primeira mentira, a primeira saída à noite, a primeira adolescência, o primeiro castigo, etc. A primeira vez que os pais vêem tal coisa. E ficam pasmados. Depois experimentam coisas, a ver se resulta. Mas erram, vezes sem conta - sempre sem querer, claro. 
Mas é para isso que o filho mais velho cá está: para dar o peito às balas e se apresentar aos pais como uma espécie de GOE dos filhos. É ele quem vai à frente, a abrir caminho, a desbravar a mata parental da inexperiência e ignorância. Sem medo. Mantendo-se estoicamente de pé, qual Mogli no meio dos lobos, sem vacilar, sem questionar. Inseguro? Sim, mas de pé. Orgulhosamente. E só. 
É por isso que defendo que qualquer filho mais velho devia ser pago. E a peso de ouro. Devia ter mesmo direito a uma espécie de rendimento familiar de inserção, por uma questão de justiça social, mais um seguro de saúde pelos possíveis traumas sofridos no teatro familiar e até uma pensão vitalícia paga pelos irmãos, que foram poupados a idas inúteis ao hospital por causa da famosa tosse de cão que só ao segundo filho consegue ser identificada pelos pais.
Mimado? Não, é apenas o meu filho mais velho. Coitadinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:34


2 comentários

De Tocas a 13.04.2010 às 23:29

Tadinha....
Até em muitas coisas nem foste a 1ª... lol
e a mais nova... tadinha ;)

De ines a 14.04.2010 às 11:30

tens TANTA razão!
pobres dos filhos mais velhos e ainda mais se forem rapazes!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog