Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Posso não querer?

por Inês Teotónio Pereira, em 11.06.10

O Estado, esse Grande Educador,  quer dar educação sexual às crianças. Acha que os pais portugueses não sabem educar os seus filhos, que precisam de uma associação que os ajude a educar os filhos.

Só há duas maneiras de ver a coisa:

a) O Estado acha que nós, os pais, somos todos parvos e incompetentes.

b) O Estado quer educar os nossos filhos, quer queiramos quer não.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:09


5 comentários

De clara a 11.06.2010 às 14:39

uma vergonha. os únicos mais assustados do que os pais são os professores.

De Mats a 11.06.2010 às 19:27

Faz parte do plano de socialização das crianças, tornando-as menos susceptíveis de resistirà destruição do casamento.

De antonio dias a 12.06.2010 às 08:41

Inês, bom dia. Espero que esteja bem. Lamento discordar da sua opinião. Achar que não deve existir educação sexual nas escolas é como pensar que não deve haver educação física nos estabelecimentos de ensino. Porque é que os meus filhos têm de fazer desporto na escola? Eles vão para lá é para aprender a ser inteligentes e não para serem elegantes, poderia eu dizer!
A gravidez na adolescência, as doenças sexualmente transmissíveis e a homofobia, por exemplo, são traços de atraso civilizacional. São males que provêm da falta de educação... sexual. Acredito que seja (ou venha a ser) boa mãe (não sei se tem filhos). No entanto, há quem não o seja. É para isso que existe a escola. Entende isso? A maioria da população portuguesa é iliterada , hipócrita e burra. Daí os dados elevados de abortos entre jovens, de gravidez indesejada, de, inclusive, maus tratos familiares. Os pais machistas que temos hoje são o resultado do país pobre que fomos (e ainda somos) e mal educado... sexualmente também.
A sua opinião faz me lembrar uma amiga minha que é testemunha de jeová que usava os seus argumentos e sobretudo sublinhava o perigo de ser "uma qualquer pessoa" a ensinar esta disciplina. Como se algum pervertido fosse dar aulas de educação sexual. Acha que não há pervertidos , loucos, doidos e incompetentes noutras disciplinas?
Inês, olhe à sua volta. Veja o país que somos. Repare nos jovens que estamos a educar... mal. Lamento mas, ao contrário de si, eu quero viver num país melhor. Quero jovens educados, que tenham consciência das suas escolhas, que saibam que ser gay não é uma doença, que percebam os riscos que corram. Não é por mim. Ou até pelos meus filhos. É pelo meu país. Entende isso, Inês?

De libertas a 12.06.2010 às 23:55

Parabéns pelo fabuloso texto no i de hoje.

Temos todos de lutar pela liberdade das famílias pobres tb poderem escolher a melhor escola para as suas crianças.

luis casalta

De Jairo Entrecosto a 14.06.2010 às 10:18

"A maioria da população portuguesa é iliterada , hipócrita e burra"

O desprezo que os "progressistas" têm pelo povo é apenas comparável à vontade que os mesmos "progressistas" têm em salvar o povo de si próprio.

Se a população portuguesa fosse isso, os políticos que a governam e que saem dessa mesma população, seriam mais inteligentes, honestos e letrados, por obra de qual milagre?

Isto é uma vergonha, uns malucos apoderam-se do estado e acham que têm o dever e o direito de educar os filhos dos outros.

Vá lá ver o que é realmente a dita "educação" sexual que querem ditar a todos, e depois diga-me como é que incentivar crianças a masturbarem-se resolve problemas de gravidez e doenças venéreas.

Peço desculpa à dona do blogue pela linguagem e tom que utilizo para responder a uma comentadora sua, mas cobardias contra crianças revoltam-me.

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog