Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Falar mal

por Inês Teotónio Pereira, em 30.08.10

No i deste fim-de-semana

 

Os pais falam com os filhos de uma forma muito especial: mal. E falam mal como não se atrevem a falar com mais ninguém. A maioria dos pais não faz qualquer cerimónia com os filhos. É, assim, à vontadinha. Não há fronteiras, não há barreiras, não há maneiras. Por isso, se estamos maldispostos, os filhos que nos aturem as impaciências, as más-criações, os gritos, as ordens incoerentes, ou a alteração do horário de ir para cama. Se estamos bem-dispostos, exageramos no tratamento, no tom e deixamos que eles façam tudo, sem critério e sem sentido.
Diz-se que as crianças de hoje não têm respeito pelos pais, que antigamente "se eu falasse desta maneira com o meu pai levava uma tareia e era muito bem dada". Mas a verdade é que os pais é que começaram, os filhos simplesmente vão aprendendo com eles a ser malcriados (até isto a escola já não acompanha). O que mudou, na verdade, foram os pais, os filhos continuam a seguir o exemplo de cima.
Os pais de hoje não perceberam que estar à vontade não é estar à vontadinha. E, claro, abusam. Falam com os filhos conforme a vida e o dia lhes correu bem ou mal, conforme o trânsito, o calor, o trabalho, o dinheiro ou o Benfica. Filhos, enfim, são filhos. A cerimónia faz-se com os desconhecidos.
Até que um dia perguntamos com espanto como é que a criancinha teve a lata de bater com a porta na cara da mãe ou de dar um pontapé na canela da tia. Como é que ficou assim?! Eu nunca fiz isto à minha mãe! Ah é verdade, é a televisão. Claro que é da televisão. Só pode.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:51


2 comentários

De isabel a 30.08.2010 às 14:54

muito bem visto. Mas sabe uma coisa, penso exactamente o mesmo dos professores-alunos.

De A mãe que capotou a 02.09.2010 às 13:27

Por vezes, é verdade, que não se percebe bem quem é que ficou responsável pela educação. Os pais passam a bola aos professores, que passam a bola aos auxiliares, que passam a bola a ... e fica tudo a parecer mais com um jogo de futebol do que a uma transmissão de valores .
E à vontade, vontadinha até se poderia estar se houvesse coerência, respeito e lucidez que o que se esta a fazer é construir o futuro.
Bolas, este comentário ficou tão banal, e, no entanto, é mesmo assim que penso.

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog