Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Os filhos mais novos

por Inês Teotónio Pereira, em 07.01.11

 

Crónica da semna passada

 

Os pais deviam tratar todos os filhos como tratam os filhos mais novos. Era tudo mais fácil, tanto para os pais como para os filhos. Com os filhos mais novos não há ansiedade, há apenas mimo. Com eles não se perde tempo a educar, a ensinar, a zangar, a habituar a comer sopa e legumes e a todas essas coisas pedagógicas que achamos fundamental fazer com os mais velhos. Nada disso. Os filhos mais novos existem para nos fazer perder tempo e não para serem educados. Se eles fossem férias, eram as férias de Verão: sol, praia e caipirinhas. Eles existem para os pais se derreterem e para se divertirem.
Os outros filhos não. Os outros são um caso sério. Seríssimo. É preciso prepará-los para a vida: precisam de disciplina, de ter modos à mesa, de criar hábitos de trabalho, de aprender a andar de bicicleta com três anos (como vem indicado nas instruções da bicicleta) e, já agora, de aprender a ler com cinco anos e a distinguir as cores com dois. Já o mais novo não tem de passar por isso. Chegou ao mundo ensinado e se não sabe, se não nasceu ensinado, também não faz mal: tem tanta graça, o espertalhão - "sabe-a toda..." Com os mais novos, nós sabemos exactamente quais os brinquedos indicados, qual o valor relativo da tosse de cão, que não tem mal nenhum não comerem tudo até ao fim, que a esmagadora maioria das crianças acaba por aprender a falar e a andar e que os dentes acabarão por nascer, mais cedo ou mais tarde. Com os filhos mais novos os pais percebem, finalmente, que no fundo o que interessa é que eles passem um bom tempo na nossa companhia. E vice-versa. Tudo o resto é conversa. Fiada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:42


4 comentários

De claudia a 07.01.2011 às 17:30

Adorei (mais uma vez) e subscrevo. A minha pequenita mais nova, enfim... adoro-a e sei que não se parte...

De Lura do Grilo a 07.01.2011 às 20:30

Em resumo: o primeiro filho é o mais "cuidadinho".

Os seguintes é meia-bola e força: menos fotografias, menos mordomias, etc. Pois ... mas a verdade é que funciona tudo bem.

De sandra jorge a 10.01.2011 às 11:04

obrigada! era o que precisava de ler hoje! é que só tenho ainda um...
ufa

De soprosdemar a 10.01.2011 às 12:32

Aplaudo de pe o que escreveu. E caso não se importe, publiquei o seu artigo no meu blog (com as devidas referencias) na esperança que minha sogra o leia e entenda o que digo há imensos anos...é que eu sou casada com o filho mais velho que é uma pessoa organizada, responsável, amável etc. O mais novo, nem seguiu a faculdade (facilitismo pelo mimo que recebeu), vive por cunhas, é mal-educado e formado, preguiçoso etc, mas sempre o filho mais lindo e querido do mundo lol.
Parabéns!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog