Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A primeira vez que me colaram a uma geração foi na altura em que a PGA era motivo mais do que suficiente para os bloquistas do principio dos anos 90 mostrarem o rabo aos ministros da educação. Foi à conta deles, dos bloquistas, que um socialista chamou à minha geração, geração rasca (o criativo foi o jornalista, socialista Vicente Jorge Silva, que era na altura uma espécie de Emídio Rangel de Guterres, mas raramente aparecia da televisão e muito menos na RTP N). 

Ainda hoje tenho a certeza absoluta de que o insulto não era para mim nem dirigido a ninguém que eu conheça; quase que posso jurar que Vicente Jorge Silva se referia justamente aos bloqusitas da época, que em vez de irem às aulas e depois para casa estudar para a PGA, passavam as tardes entre o café em frente ao liceu e a escadaria da Assembleia da República a mostrarem os rabos às câmaras de televisão só para chatearem o Marques Mendes, que na altura mandava na televisão, e o Dias Loureiro, que mandava na polícia, e o Ministro da Educação, que já não me lembro quem era porque estava sempre a mudar.

Tenho ideia que as manifestações dos rabos também contestavam o pagamento das propinas, porque dantes só se pagava para estudar na Católica e na Lusíada, que eram as universidades dos meninos ricos e maus alunos, ou só uma coisa ou só outra, porque não tinham entrado no Estado que era sempre a primeira escolha - o Estado sempre foi a primeira escolha de todas as gerações de portugueses.

A geração rasca ainda fez a PGA, que era canja, andou na universidade, não pagou propinas, fez os cursos do Torres Couto e da Teresa Costa Macedo onde se ganhava trinta contos ou mais vindos da CEE (a CEE dava dinheiro ao Torres Couto e à Teresa Costa Macedo para fazerem cursos de fotografia em vez de ajudar as pescas, a agricultura, as pequenas e médias empresas e o sector produtivo) e começou a ir à neve. 

A geração rasca cresceu saudável, porque quando as pessoas da geração rasca eram crianças não havia cereais de chocolate e ao pequeno-almoço comia-se pão com marmelada e leite que se fervia num fervedor (também não existiam gomas e os dentistas não distribuíam aparelhos para os dentes por tudo e por nada).

A geração rasca tirou cursos de economia, de gestão e de direito, foi trabalhar para os escritórios de advogados e para as empresas, fez contratos de trabalho, passou recibos verdes, fez biscates para ganhar dinheiro para poder sair à noite, mudou de empregos, comprou casas com os créditos à habitação da Nova Rede onde só trabalhavam homens (e não alugou casas por dois contos ou por quinhentos escudos como os pais que ainda tinham a lata de se irem queixar os senhorios porque a torneira estava pingar). Gastou dinheiro que se fartou, pagou impostos por todas as gerações passadas até aos anos 30 ou 40 e trabalhou e estudou que que nem um camelo. Ainda hoje é assim.

Quanto à música, bom, só o Abrunhosa é que adaptou um original para contestar e para vender mais discos, mais nada. Nem uma notinha.

A geração rasca, a minha, foi a melhor geração desde o final da II Guerra, no  mínimo: sobrevivemos aos direitos adquiridos da geração de cima e agora temos de aturar a lamurias da geração de baixo que reclama direitos adquiridos.   

Já a geração dos meus filhos, proponho que se comece desde já a chamar de geração que se raspa, porque se os nossos filhos não optarem por se rasparem daqui para fora, arriscam-se a ficar na terrinha a trabalhar numa coisa qualquer, que não tem nada a ver com o curso que tiraram ou com outro qualquer que exista, para pagar dívidas e para sustentar a geração à rasca que daqui a cinquenta anos ainda vai estar a mandar curriculos para a PT, a EDP, a RTP, a CP, a Galp, a CGD, a REN (entretanto, já falidas) e a ouvir os deolinda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07


11 comentários

De a.marques a 11.03.2011 às 00:26

GERAÇÃO PÉ DE CABRA

Sou da geração do velho tostão
Calças rotas na mão
Que sede que eu tinha

Sou da geração das magras vacas
Bacalhau ás lascas meia sardinha
Que sede que eu tinha

Sou da geração de sebo no pão
Ferrar o calo na mão
Que sede que eu tinha

Sou da geração que paga a dobrar
Cá os anda a aturar
Que sede que eu tenho

Sou da geração que sacode o ranho
Que lhes serve p´ró banho
Que grande sede que eu tenho

A escola era a sacola
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

GERAÇÃO PÉ DE CABRA <BR><BR>Sou da geração do velho tostão <BR>Calças rotas na mão <BR>Que sede que eu tinha <BR><BR>Sou da geração das magras vacas <BR>Bacalhau ás lascas meia sardinha <BR>Que sede que eu tinha <BR><BR>Sou da geração de sebo no pão <BR>Ferrar o calo na mão <BR>Que sede que eu tinha <BR><BR>Sou da geração que paga a dobrar <BR>Cá os anda a aturar <BR>Que sede que eu tenho <BR><BR>Sou da geração que sacode o ranho <BR>Que lhes serve p´ró banho <BR>Que grande sede que eu tenho <BR><BR>A escola era a sacola <BR class=incorrect name="incorrect" <a>P´ró</A> monte com gado <BR>Com lobos todo borrado <BR>A casa era o palheiro <BR>Á luz fosca da candeia <BR>Com feno no travesseiro <BR>

De a.marques a 11.03.2011 às 12:20

Correcção do final baralhado:

A escola era a sacola
[Error: Irreparable invalid markup ('<br [...] <a>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

Correcção do final baralhado: <BR><BR>A escola era a sacola <BR class=incorrect name="incorrect" <a>P´ró</A> monte com gado <BR>Com lobos todo borrado <BR>A casa era o palheiro <BR>Á luz fosca da candeia <BR>Com feno de travesseiro <BR><BR><BR><BR><BR><BR>

De Anónimo a 11.03.2011 às 01:53

“Preocupação”

Já há muito não se via
Um secretário de estado
Muito muito preocupado
C’o jovem desempregado

Aproveitem a embalagem
E alastrem a preocupação
Convoquem manifestação
Seguida de um arrastão

Arrastem c’a vossa alegria
Esta malta que já não via
Preocupar-se nem um dia

Chamem os homens da luta
Incomodam gente impoluta
Já que eles gritam à bruta.

De cerejanobolo@gmail.com a 11.03.2011 às 09:53

A Inês tem apelido. E dos bons. É de lá do alto do seu apelido que comenta o que comenta nos termos em que o faz. Para quem for bom entendedor, essa meia-palavra basta. O resto, - como se diria no Português vernáculo dos bairros que a Inês jamais frequentaria - o resto, são tretas.

De Marc a 11.03.2011 às 10:12

Como me revejo naquilo que diz. Ainda hoje, essa, a geração rasca se desenrascou vai pagando aquilo que aqueles que nos apelidaram de geração rasca e nos puseram á rasca fizeram enrascando tudo inclusive o futuro da geração que diz e muito bem que deve ser apelidada de geração que se raspa. Obrigado

De claudia a 11.03.2011 às 11:30

Mais uma vez: excelente, excelente, excelente! Parabéns.

De joão Rodrigues a 11.03.2011 às 11:34

temos realmente uma geração á rasca, mas esta designação parece abranger só quem tirou um curso superior e que todos aqueles que não tÊm um grau academico, façam parte de outra geração, porque se quem é licenciado tem dificuldade em arranjar emprego, agora imaginem quem não o é, se quem é licenciado acha que o ordenado é baixo, agora imaginem o ordenado de quem não o é.Tenho 35 anos e actualmente sou comercial de seguros, comecei com os famosos recibos verdes, que depois de todos os impostos pagos o ordenado liquido seria de 650 euros, agora continuo na mesma empresa mas atraves de uma empresa de trabalho temporario (realmente a minha situação laboral melhorou muito) e ordenado mantem-se o mesmo. È claro que todos os dias envio CVs, mas ou já sou velho demais, ou então não tenho um grau academico, esta ultima realmente achei cómica, porque entre varios requisitos pediam um grau academico, independentemente de ser na area ou não, teria era que ter o "DR" antes do nome (olhem que foram varias as empresas a pedirem este requisito), que pedissem um grau academico na area ainda que compreendia.Neste momento estou a tentar convencer os meus filhos a tirar um curso de medicina, farmaceutico, pois são os unicos cursos que tÊm o futuro garantido( não conheço e nem sei de ninguem que conheça um medico ou farmaceutico que tenha dificuldades em arranjar trabalho ou que sejam mau remunerados).Tenho um amigo que tirou um curso de antropologia, agora digam-me muito honestamente onde é há mercado de trabalho para ele e muitos como ele que tiram estes cursos, sinceramente não sei porque é que são ministrados certo tipo de cursos pois pura e simplesmente estamos a a fabricar desempregados, fechem estes cursos e assim não iludiam as pessoas, façam estudos de mercado e vejam que necessidades existem no mercado de trabalho e aí sim há que apostar.

De Anónimo a 11.03.2011 às 15:32

Agora só já mesmo de medicina. A "crise" já chegou aos farmacêuticos e às farmácia. Talvez a unica promessa feita pelo o Sr. Primeiro Ministro que foi escrupulosamente cumprida.

De marianamirad@gmail.com a 11.03.2011 às 16:27

Inês concordo com plenamente!
Acho que estou dividida entre a geração à rasca e a que se raspa, já que me parece que tenho já amigos nos quatro cantos do mundo, a "fazer pela vida".
Gabo-lhes a coragem ao mesmo tempo que penso que alguém deve ficar cá e lutar por um país que é nosso e não da classe política que só procura o seu interesse, das suas famílias e amigos... por isso fico, pelo menos até ver!

Só um comentário para quem se acha diferente ou diferenciado pelos apelidos... Não sei se lhe chame inveja ou ressabianço, mas concerteza acho uma vergonha alguém apontar o dedo a outro por ter um apelido conhecido. Quem não sabe não fala.
É por estas e por outras que o nosso país está como está, porque quando uns procuram defender os interesses de todos, ou se indignam com o estado das coisas, outros apontam o dedo a quem os defende por ter nascido com determinado apelido, mesmo que não se sintam mais que os outros... pff, a era dos dons, duques e apelidos já acabou... sejamos civilizados, sim?!

De Nu em tanto a 12.03.2011 às 18:28

Tanto se me dá que mande Pêro como Sancho.

Meço-os todos pelo mesmo alqueire, ambiciosos, fátuos, inúteis,

egoistas, prepotentes e medíocres

Há actividades que acabam por recalcar no homem... a razão

Em regra, esta de governar os povos é uma delas.Não...?

Onde não vires aventureiros, sem nenhuma espécie de escrúpulos,

encontrarás apenas imbecis.

Pois que no mundo tudo se concatena e existe uma solidariedade íntima embora secreta

entre Primo de Rivera e Staline

toda a rasca geração à rasca andou

em todos os tempos

De Anónimo a 16.03.2011 às 00:11

Só para nós: essa do "mas até podia ter sido", é fraquinha, não é? És melhor que isso, não és?

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog