Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Só um bocadinho, sff

por Inês Teotónio Pereira, em 15.05.09

As crianças não interrompem por mal, mas por pressa. Sempre que lhes passa alguma coisas pela cabeça, seja um pensamento novo, uma necessidade mediata ou imediata, uma pergunta pertinente ou uma pequeníssima dúvida, dizem. E imediatamente. Não deixam a coisa arrefecer nem um minuto; têm medo de se esquecer, de explodir, não sei.

Não lhes interessa nada que o interlocutor esteja a falar ao telefone, a discutir o futuro da Nação com líderes mundiais, a preencher a declaração de IRS ou na casa-de-banho. Eles têm de transmitir o que lhes vai na garganta, como se estivessem acabado de descobrir a cura para a gripe suína. Em matéria de interrupções não há crianças mais interruptoras que outras. São todas péssimas. A diferença está nos adultos: os que se deixam interromper e os outros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10


2 comentários

De Antonieta a 15.05.2009 às 12:55

Parabéns pelo seu blog! acho que tem muita graça, e faz sentido.
Esta das interrupções é uma das clássicas .. eu sou das que dizem : espera um bocadinho que a mãe está a falar ao telefone....
Abraço, Antonieta Lopes da Costa

De Luis a 15.05.2009 às 12:56

Tal e qual.
Acho, no entanto, que, embora por princípio seja dos que não me deixo interromper, é salutar, que, por vezes, nos deixemos interromper. Isto sob pena de passarmos a vida a impedir essa partilha de ideias. E, em boa verdade, quando dizemos "espera! o pai está a falr com o tio", eles, embora esperem, não percebem imediatamente...

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog