Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A crónica do desassossego

por Inês Teotónio Pereira, em 26.04.11

(Crónica do i de 9 de Abril)

 

Dizem que um dia, daqui a uns anos, vou ter saudades da época em que os meus filhos eram pequeninos; dizem os mais velhos e mais sábios que vou ter saudades dos tempos em que eram indefesos e, por isso, nos deixavam fazer tudo, incluindo apertá-los, encher- -lhes a cara de cuspo, pegar- -lhes ao colo, controlá-los e fazer todas essas coisas que nós, óptimos pais em pleno exercício dos seus poderes paternais, gostamos de fazer. Os autores desta profecia são normalmente pais de jovens que há uns anos eram crianças adoráveis e agora exibem franjas em vez de inteligência (por causa da idade, claro). Queixam-se de já não controlarem os filhos, de mal os verem, porque os filhos deixaram de ser filhos para passarem a ser problemas. Dantes, a criançada dava trabalho, mas não chatices; eram chatos que se farta, mas dormiam 12 horas e não se afastavam mais de 50 metros. Pois eu, meus senhores, tenho a certeza absoluta de que não vou ter saudades nenhumas desta fase. Por mim, os meus filhos já eram gente com quem se pode ir ao cinema, conversar, viajar, ir às compras, etc. Esta coisa de não conseguirem limpar o rabo como deve ser, de chorarem por tudo e por nada, de não saberem arranjar o peixe, atar os sapatos ou prender o cinto de segurança estafa-me, arrasa comigo. Sei que a independência dos pais tem um custo: a perda de poder. Os nossos filhos passam a ter o poder todo e nós ficamos sem nenhum. Percebo a angústia quando não há confiança, mas quando há, só vejo paz, sossego e esperança num futuro mais silencioso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:51


2 comentários

De Maria Miguel Mendes a 27.04.2011 às 10:17

Fantástico!! Subscrevo totalmente. Estes pequeninos trechos de pensamentos são um afago diário à minha consciência maternal!! Obrigada!!! E o riso que provoca é um bónus...

De Ana a 09.05.2011 às 14:32

Excelente Blog, não me encontro em Portugal , mas assim que voltar terei de comprar o seu livro, pois se for tão cativante quanto é o blog, dou lhe os parabéns, tem o dom da escrita!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog