Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A credibilidade dos pais

por Inês Teotónio Pereira, em 14.06.11

 

Este fim-de-semana no i

 

 

OS FILHOS ACREDITAM sempre nos pais. Mesmo depois de crescerem, os filhos partem sempre do principio conservador e sensato de que os pais têm razão. Podem não obedecer, podem ignorá-los, podem armar-se em espertos e em autónomos e até experimentarem esporádicas e desastrosas experiências de autonomia, mas nunca discordam dos pais. Todos os filhos sabem que os pais é que sabem, sabem mais, sabem o que está certo e têm sempre razão (mesmo que não tenham).

Os pais determinam, mesmo sem querer, as balizas do comportamento dos filhos, são eles que definem as suas orientações, os seus princípios, a sua conduta, os seus objectivos, etc. O exemplo dos pais, a maneira como se portam, o que dizem, o que defendem e o que rejeitam, é uma espécie de constituição viva para os filhos. E os filhos sabem que a têm de seguir, que o caminho é aquele. Podem seguir outro, mas têm plena consciência de que não deviam.

Ora, não há nada que nós, pais, possamos fazer para alterar esta circunstância de vida. Estamos todos tramados. E estamos tramados porque não podemos mudar; não podemos, só porque somos pais, passarmos a ser modelos de vida, de virtude, de trabalho, de estudo, de cultura, de inteligência, de destreza ou de boa-disposição. A verdade, verdadinha, é que no dia a seguir a sermos pais acordamos com os mesmo defeitos e qualidades (só que com mais sono). E é connosco que os nossos filhos vão ter de viver; é a nós que eles vão buscar inspiração e até princípios. A boa notícia é que, tendo em conta que foram os nossos pais quem nos educaram, nem tudo pode ser mau.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:40



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog