Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Filosofia de trazer por casa

por Inês Teotónio Pereira, em 05.07.11

No i de outros fins-de-semana 

 

Uma das grandes questões que têm atormentado o homem ao longo da história é saber se nascemos bons ou já maus como as cobras. Se a nossa natureza é boa e a sociedade é que nos corrompe ou se nascemos inquinados, cheios de defeitos irremediáveis, e passamos a vida a tentar alcançar a decência. Ora, tal como vários filósofos e teólogos, também eu me debrucei sobre este assunto. E ontem à tarde andei a observar os meus filhos à luz da análise da natureza humana. E assim, olhando para as crianças, que são quem está mais perto de servir de exemplo, tendo em conta que a sociedade ainda não teve muito tempo para as corromper, não concluí nada. No entanto, inclino-me mais para a tese de que todos nascemos com defeitos e qualidades e que a sociedade melhora a nossa performance, ou piora, conforme o ambiente onde crescemos. Ou seja, se ninguém explorar as qualidades de uma criança, elas acabam por minguar por falta de uso e os defeitos ganham terreno, tipo peste. Se, pelo contrário, as qualidades e os talentos, forem esmiuçados e bem tratados, crescem e criam uma enorme barreira electrificada contra os defeitos.
Nesta lógica de causa efeito, uma criança com a predisposição para ser desarrumada, fica especialista em gavetas desarrumadas se crescer numa casa virada do avesso. E isto aplica-se a tudo: inveja, mentira, preguiça, etc. 
A dolorosa verdade é que até os nossos filhos nascem com defeitos. E a culpa não é nossa, nem deles, nem da sociedade, nem de Deus. É da natureza das coisas. A nós, pais, só nos resta disponibilizar ferramentas para eles explorarem as suas qualidades. O que não é pouco. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:19



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog