Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O gado e as crianças

por Inês Teotónio Pereira, em 24.08.11

No i de sexta-feira

 

Dizem que o olho do dono engorda o gado, não sei se é verdade porque nunca tive gado para o qual tivesse de olhar, mas tenho filhos e garanto que este provérbio aplica-se na perfeição aos pais (os donos) e aos filhos (o gado). A verdade é que sempre que estou de férias com os meus filhos, eles engordam. Engordam, crescem e ficam com um aspecto mais saudável – tal e qual como o gado quando o dono está mais atento ao seu desenvolvimento (a única diferença é que e não tenho a intenção de os matar no fim das férias e vendê-los aos bocados para o talho). A conclusão óbvia desta constatação é que as férias são o período mais saudável do ano. As férias são mais saudáveis do que a natação, a salada, o Centrum ou o leite. Não há escola que chegue aos calcanhares de umas férias de Verão.  

E não é por as férias terem alguma coisa de especial, é porque durante as férias não existem grandes adversidades. Durante as férias existe paz e sossego: não há nada de interessante ou de stressante para fazer. As crianças, em período de férias, não são arrancadas da cama de madrugada para serem atiradas para dentro das escolas onde são deixadas durante oito a dez horas, não almoçam às 11 e meia da manhã, não vêem os pais em média duas horas por dia, não passam os dias entre as aulas, o caminho para aulas, as actividades, o caminho para as actividades, o estudo, a televisão e o computador, nem se deitam tarde e se levantam cedo. Nas férias ninguém as chateia, elas fazem o que querem, quando querem e com quem querem. Sem rotinas, obrigações ou complicações. E os pais, quer queiram quer não queiram, têm de estar com os filhos. Não há como fugir. Não há neve aqui perto nesta altura do ano para fugir com os amigos, não há dinheiro, a crise alastra e não há coragem para não se estar com os filhos por mais cansado que se esteja. Férias no Verão para quem tem filhos são uma espécie de retiro em família - sem padres ou orientadores espirituais.

Durante as férias os dias demoram semanas de trabalho intenso a passar, todos se deitam tarde e levantam-se tarde, as refeições são tomadas a horas decentes, ou seja, o mais tarde possível e as únicas obrigações são comprar pão fresquinho de manhã e perseguir o sol durante o resto do dia. Ler os jornais é um exercício intelectual intenso. E como não há ninguém interessante com quem conversar (está toda a gente de férias com a família) temos mesmo de ouvir e de falar com os nossos filhos. O que tem como consequência inevitável que acabamos as férias a conhecê-los melhor. Durante as férias não falamos com eles só para dar ordens ou para distribuir tarefas (também, mas não só). Sendo que as ordens são de outro calibre: “vai comprar um gelado e trás mais dois”, ou “vai pendurar a toalha lá fora”, ou “não chegues depois da meia-noite”, ou “não fiques tanto tempo na água”. São escassos os diálogos sobre matemática, trabalhos de casa ou gramática. Falamos sobre coisa nenhuma uns com os outros porque passamos os dias intermináveis todos juntos e a pastar os nossos filhos. Eles gostam e, tanto gostam, que chegam mesmo a engordar. É como as ovelhas, mas mais divertido e menos monótono (digo eu, que nunca pastei animais).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:41


3 comentários

De Sara a 25.08.2011 às 10:21

Já tinha saudades!!!! Mais uma vez... tirou-me as palavras da boca! Bem vinda!

De Lucy a 30.08.2011 às 00:33

De tantas coisas boas das férias, essa é mais uma, o relacionamento dos pais e filhos. Mto bom!

De Becas a 20.09.2011 às 15:11

Adorei! Tanto centrum, nestum com mel e vitaminas em vão...O sol e as disponibilidades - mental e física fazem milagres!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog