Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Momento fracturante

por Inês Teotónio Pereira, em 25.11.09

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:23


3 comentários

De Nuno a 25.11.2009 às 13:06

Não vou insultar, o blog é um espaço onde o autor pode publicar livremente o que bem entender. Mas este é capaz de ser um dos vídeos mais estúpidos que vi em toda a minha vida.
Eu até nem sou a favor da adopção de crianças por casais homossexuais. A sociedade não o permite, e acima da lei ainda está a sociedade, como um todo. Não devem ser as leis que mudam mentalidades, mas sim as mentalidades que devem mudar as leis. Mas o casamento, sim. Porque o verdadeiro valor do casamento não é a procriação. O casamento não é um contrato. Teve tempos em que assim era, mas hoje em dia a maioria dos casais não oficializa as relações por causa da família ou só porque dá jeito. Não. Hoje em dia as pessoas casam-se porque existe amor. Ou pelo menos pensam que existe. O Casamento não é mais uma instituição religiosa. Segregou-se. E por isso há o casamento civil e o casamento religioso. Ninguém pediu nada à Igreja, ninguém exige que se casem pessoas do mesmo sexo pela igreja. Apenas é legítimo que duas pessoas que queiram construir uma vida em comum perante a sociedade não sejam impedidas de o fazer devido à sua orientação sexual. A realidade é que há casais homossexuais que se escondem, muito provavelmente. Porque perante a lei não são mais que dois sujeitos que não podem ser casados civilmente. E respeito a opinião de quem diz Não ao casamento homossexual. E por isso deveria existir referendo. Não tem a ver com o bem estar da sociedade em geral, apenas de um grupo particular de pessoas. Esta questão tem a ver com os valores sociais que sofrem uma constante mutação. Nada de radicalismos. Não quero que se mude tudo de uma vez só. Passo a passo é como deve ser percorrido o caminho contra o racismo, a homofobia. Porque até os Homossexuais são pessoas. E todas as pessoas têm o direito de amar, ser amadas e expressar, perante a sociedade, o seu amor, através do casamento civil.

Tenho dito

De Ulisses Adirt a 26.11.2009 às 17:08

Aulas de matemática também confundem muitas crianças. Devemos evitá-las?

De 3picuinhas a 27.11.2009 às 11:03

Eu por acaso também acho que se devia fazer um referendo para decidir se a vizinha do 3º Esqº pode ser casada com um senher que aparentemente não tem cérebro; um referendo para decidir quem pode ou não tomar uma meia-de-leite a meio da tarde e não de manhã; e já agora um referendo para decidir se eu posso usar a conta poupança para comprar uma cama nova para a patanisca...sim, porque à semelhança do casamento homossexual isto são assuntos que intereferem com a vida de cada cidadão...e há que ser prevenido, ora essa...eu cá gosto de ter opinião sobre a vida privada dos outros...todos...

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog