Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Manual de instruções

por Inês Teotónio Pereira, em 20.05.14

A minha crónica de sábado no i 

 

 

O facto de as crianças não virem com manual de instruções atrapalha terrivelmente a vida dos pais. O maior desejo de qualquer pai é mesmo esse, que as crianças nascessem com um livrinho debaixo do braço onde estivesse escrito tudo o que se tem de fazer em todas as fases de crescimento até ao dia em que eles se libertam do jugo dos pais. São várias as nossas dúvidas e as respostas, por mais que procuremos, são diversas e muitas vezes contraditórias. A doutrina sobre todas as questões relativas a crianças e a adolescentes está longe de ser pacífica. E nós, pais, absolutos ignorantes e muito pouco académicos, continuamos à procura, a ler e a investigar. Um livro de instruções, claramente, ajudava.

Mas não há. Não há nada tipo folheto do IKEA objectivo, simples e com desenhos que nos explique detalhadamente o que fazer perante uma birra, quando as crianças não querem dormir ou não querem estudar, como lidar com a internet ou com as mentiras, se devemos insistir que comam peixe e legumes nem que fiquem duas horas a jantar, até onde nos devemos meter na vida deles, para quando a primeira conversa séria sobre sexo, onde acaba o nosso querer e começa o deles, como ensiná-los a ser autónomos e responsáveis.

É certo que existem milhares de teorias, livros e teses sobre todos estes assuntos e que há umas décadas para cá que não deixam de se publicar livros, teorias e teses sobre tudo o que nos diz respeito ou aos nossos filhos. Mas o que nos deixa a nós, pais, doidos, é que tudo o que se publica, que vai da temática das birras à temática do "não" passando pelo flagelo da internet, consegue ser tão diverso que chega a ser contraditório. E nós estamos baralhados. Cada vez sabemos menos o que fazer.

Por exemplo, perante um birra no meio do supermercado em que a criança se atira para o chão porque quer levar o carrinho, ou porque quer um chocolate, o que fazer? Há quem diga que devemos conversar com a criança e tentar chamá-la à razão. Por outro lado, há quem ache que uma palmada resolve o assunto. Há outros que aconselham ignorar a birra. Mas há ainda uma facção que defende que se ceda à vontade da criança. Perante esta diversidade de conselhos, resta-nos, digo eu, não levar a criança ao supermercado.

Outro exemplo comum é o estudo. Estudar ou não estudar com o filho? E como? Há quem diga que sim, que os pais devem sentar-se ao lado dos filhos e ajudá-los nos trabalhos de casa custe o que custar. Outros dizem que não, que é contraproducente. Mas se ele não conseguir fazer os trabalhos? Então, tendo em conta a falta de tempo, o que fazer? A doutrina diverge.

Chegamos então à internet. A internet é o novo pesadelo dos pais. A internet é um mundo que os nossos filhos frequentam e que nós não controlamos. Achamos que controlamos, mas é ilusório. Já conseguimos tirar os nossos filhos da rua, já não os deixamos ir à mercearia sozinhos por causa dos raptos e dos pedófilos ou subir às árvores não vão eles cair, mas a internet veio estragar tudo. O acesso à internet é mesmo ilimitado e, comparando, uma ida à mercearia é uma brincadeira. Então bloqueia-se? Controla-se o histórico, mas o que fazer com os telemóveis? E com os amigos, que têm internet? A internet é uma ferramenta essencial de informação, de trabalho, etc. Então como conciliar? A doutrina diverge. Há milhares de teorias. Mas são tantas que ninguém sabe ao certo o que fazer e entretanto os miúdos continuam a navegar.

A minha teoria é que todas as teorias estão certas. A minha teoria é a teoria do "depende". Depende da birra, depende do contexto, depende da palmada, depende da criança, depende da escola, depende da idade, depende de tantas coisas que a única teoria certa é a do bom senso. A verdade é que nós, pais, se conhecermos bem os nossos filhos, somos o único manual de instruções credível. Temos é de os conhecer. É essa a principal instrução e a única teoria.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:47


2 comentários

De Mãe Sabichona a 20.05.2014 às 21:07

Ia comentar que depende, que não há um certo ou errado mas sim um certo ou errado para cada circunstância e criança. Que por exemplo a questão de se estudar ou não com o filho tem mais a ver com ele, com as suas necessidades ou dificuldades, do que com as nossas ideias do que deve ser feito. Mas depois, já respondeu a tudo isso no último parágrafo. E as teorias são boas, só confundem demasiado se as levarmos à letra. Não há nada como ter acesso a informação divergente para depois, conscientemente, escolhermos de acordo com o que nos faz sentido.

De Maria Araújo a 21.05.2014 às 14:37


E aqui está o único manual que os pais deviam seguir: " A verdade é que nós, pais, se conhecermos bem os nossos filhos, somos o único manual de instruções credível. Temos é de os conhecer. É essa a principal instrução e a única teoria."
Parabéns pelo post.

Cumprimentos.

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog