Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Medo de ter filhos

por Inês Teotónio Pereira, em 01.03.14

hoje no i

 

Um dos maiores problemas de Portugal e da Europa é o inverno demográfico. Segundo uma reportagem do "Público", publicada há dias, "em 2013 nasceram 82 538 crianças, menos 7303 do que no ano anterior, e em 2012 o país já tinha registado um saldo natural negativo sem precedentes, com menos 17 757 nascimentos do que mortes".

Os dados de 2012 apontam ainda para um outro dado importante: mais de metade dos nascimentos deste ano foram primeiros filhos. A mesma reportagem do "Público" faz eco desta realidade: estamos a criar uma geração de filhos únicos.

As consequências desta inversão da pirâmide demográfica são verdadeiramente dramáticas, quer em termos económicos quer em termos sociais. Todos sabemos isso. E sabemos isso há anos.

O diagnóstico está feito e as causas que se apontam são bem conhecidas: conciliação entre a vida profissional e familiar e dificuldades económicas. Ter filhos custa dinheiro e é preciso condições económicas e trabalho para os ter. Quem não tem segurança profissional e financeira não arrisca. E quem arrisca tem um filho.

Não podia ser pior. Esta geração de filhos únicos tem dois problemas. O primeiro é a sua educação e o segundo é o seu futuro. Um filho único é educado como uma raridade, rodeado de medos e de inseguranças dos pais. A tendência é afastá-lo das adversidades, aceder aos seus caprichos e protegê- -lo numa pseudo-segurança fabricada pelos pais que não o deixa crescer.

Ora são estes filhos, sem irmãos, tios ou primos, que terão a seu cargo a sustentabilidade de um sistema de segurança social responsável por um número considerável de beneficiários. Teremos, portanto, uma geração mal preparada mas com uma responsabilidade como nenhuma outra teve. Terão eles estofo para aguentar com o embate que é sustentar um país de velhos? A tarefa é heróica e as armas são de papel.

A questão agora é saber o que fazer. Complicado? Se fosse fácil não tínhamos chegado aqui.

Portugal está muito melhor do que estava há dezenas de anos, em que crises do petróleo, instabilidade política e níveis de inflação que hoje parecem irreais não criaram tamanha insegurança. Em que apesar das adversidades económicas, dos níveis de desemprego e dos governos transitórios, a natalidade não atingiu níveis tão dramáticos. Em que apesar de tudo as pessoas tinham filhos. E tinham mais de um filho.

A verdade é que a mentalidade era outra. Aprendia-se com os pais a ser pais e com os primos e irmãos a ser criança. Com mais ou menos dinheiro tudo se cria, diziam os nossos avós. A família era a principal rede de segurança: todos cuidavam, protegiam e garantiam o sustento uns dos outros. Numa família alargada os problemas dividem-se e as alegrias multiplicam--se. Há sempre uma mão que se estende quando as condições se tornam desfavoráveis. Ter filhos era garantir segurança. A nossa e a de cada um deles. Fosse qual fosse o preço do pão.

É inquestionável a necessidade de políticas de natalidade, políticas fiscais e políticas laborais de conciliação profissional. É necessário que o Estado intervenha porque a situação é de facto dramática. Mas nenhuma política terá resultado se a mentalidade continuar a ser a mesma. Se continuarmos a achar que os filhos são um bem de luxo com custos elevados de manutenção ou uma despesa insuportável como as PPP, não há política de natalidade que nos valha. É que nunca haverá dinheiro que chegue e nunca existirão condições garantidas. Mais que uma conta no banco, aquilo de que os nossos filhos mais precisam para os ajudar no futuro é de irmãos. Por uma questão de segurança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:55



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog