Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O jardim de infância dos meus filhos

por Inês Teotónio Pereira, em 10.03.14

Último sábado, no i

 

As crianças passam a maior parte das suas vidas em escolas e creches e quanto mais pequenas mais tempo passam nas creches e nas escolas. Se virmos bem, tirando os fins-de-semana e as férias, elas só vão a casa comer, tomar banho, ver televisão e dormir. Ou seja, as creches são muitas vezes as primeiras casas dos nossos filhos.

A primeira vez que entrei numa creche para deixar o meu filho com dois anos foi um momento inesquecível: dezenas de crianças do mesmo tamanho (grande parte delas a chorar) e divididas por salas que iam dos meses de idade aos cinco anos. O meu filho lá ficou, a chorar, e eu fui trabalhar com uma nuvem em cima da cabeça. Quando voltei para o ir buscar disseram-me que ele tinha parado de chorado passado pouco tempo de o ter abandonado, que tinha feito cocó duas vezes, que tinha comido bem e que também tinha feito uma sesta razoável. Um dia ele deixou finalmente de chorar e entregou-se ao destino. A creche tinha imensas crianças, imensas regras e imensos horários. Nós, pais, sabíamos pouco do que ali se passava porque não podíamos entrar na escola sempre que nos apetecia ou sem razão. O relato era feito de tempos a tempos pela educadora, que nos ia informando da evolução nas necessidades orgânicas da criança e pouco mais e a avaliação versava sobre coisas como o desembaraço da criança a apertar os sapatos. Era à confiança. Era tudo uma questão de confiança. Toda a gente me tratava por "mãe" e para conversas mais prolongadas ou detalhadas marcava-se uma reunião. Fui infeliz naquela creche. Apesar de ser uma excelente creche, com excelentes instalações, educadoras com óptimos currículos e regras imbatíveis.

Até que descobri outra creche. Nesta creche havia a sala de cima e a sala de baixo. Depois havia a oficina, bicicletas sem pedais e com pedais, a cozinha, dois coelhos, pintos, duas árvores a que se podia trepar e até areia. Ninguém me chamava "mãe", tratavam-me todos pelo nome e ao meu filho tratavam pela alcunha. A natureza das actividades variava: se estivesse bom tempo iam à praça, iam à serra, iam à praia, pisavam uvas, iam ao parque dos baloiços, e se estivesse a chover faziam bolos e bolachas, teatros, desenhos, o jogo das cadeiras e até havia o dia ao contrário: as crianças iam de pijama para escola e começavam o almoço pela sobremesa. No arraial do final do ano saltávamos todos à fogueira. Cada um punha o seu lugar à mesa e só aos cinco anos é que começavam a fazer fichas (e mesmo assim...). Faziam os desenhos e as brincadeiras mais incríveis e por cada obstáculo que conseguiam ultrapassar (subir a uma árvore ou andar de bicicleta, por exemplo) organizava-se uma festa. No Natal éramos nós, pais, quem fazíamos figura de parvos no teatro. Ali não havia regras imbatíveis e todos eram disciplinados. Ninguém levantava a voz mas quando era preciso a criançada era posta na ordem.

Os meus filhos andaram lá todos e chegavam mesmo a chorar quando não iam ao jardim infantil ou quando os iam buscar. Eu entrava lá sempre que queria e conhecia os pais e os avós da criançada toda. Este jardim-infantil ajudou-me a educar os meus filhos. Não os educou por mim nem os entreteve por mim. Ajudou-me a educá-los e a fazer com que cada dia que eles ali passaram fosse um dia feliz. E foram. Todos. Nunca conheci nada parecido com O Pinhão, mas acho que todas as crianças deviam ter direito a passar mais de metade da sua infância em sítios assim. Em que se dá mais importância à brincadeira e à auto-estima de cada um deles do que ao desembaraço a fazer os laços dos sapatos ou às fichas de ortografia. É que até aos cinco anos, meus senhores, as crianças deviam passar os dias a brincar e pouco mais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:35


1 comentário

De luís a 12.03.2014 às 22:51

também andei neste jardim infantil... É simplesmente.... Fantástico e divertidissimo! Nunca vi nenhum jardim infantil tao amavel!

Comentar post



A Um Metro do Chão o mundo está cheio de pernas e tem de se olhar para cima para ver o céu - o que faz toda a diferença. O preto é mesmo preto e o branco é branco. As coisas são todas assustadoramente concretas e ninguém aceita argumentos, só respostas. Não é um mundo melhor, pior ou mais verdadeiro; é apenas diferente, apesar de ser o mesmo. Este blogue é sobre isso. E sobre uma coisinha ou outra que pode não ter nada a ver.

Autora

Inês Teotónio Pereira
iteotoniopereira@gmail.com
ver perfil

Livros da mãe






Seguir no Facebook


Pesquisar

  Pesquisar no Blog